terça-feira, 19 de setembro de 2017

MESTRES DA MEDICINA EM SERGIPE - Everton de Oliveira.


EVERTON DE OLIVEIRA – Mestres da medicina em Sergipe...

Everton de Oliveira (90 anos), nasceu em Neópolis, em 31 de outubro de 1927, filho de Ulisses de Oliveira, operário da fábrica de tecido dos Peixoto Gonçalves, na Passagem, e dona Alice de Oliveira. Órfão de mãe logo cedo, Everton foi criado inicialmente pelos avós maternos, dona Olímpia e seu Pedro Narigudo. Começou o curso primário no Colégio dos Padres, em Piaçabuçu, e concluiu na Escola do Professor Quincas, em Penedo. Aos treze anos, foi morar na casa da Tia Zulmira, em Aracaju, com o objetivo de estudar. Fez o curso ginasial no Colégio Salesiano e o científico no Atheneu Sergipense. Como bom aluno em matemática, ensinava banca na casa da tia, e nunca faltou alunos.

Filho de operário, órfão de mãe, criado por uma tia vitalina em Aracaju, como ir prestar vestibular para medicina na Bahia, quem pagaria essa conta? Nessas horas uma solução aparece. O Comendador Peixoto ao saber que um filho de um operário de sua fábrica queria ir estudar medicina na Bahia e não tinha condições, usou o prestígio, e arrumou um emprego para o jovem Everton em Salvador, no Serviço de Água e Esgoto da Bahia. Tendo do que viver, Everton foi morar na pensão de dona Mirtes, no Beco do Mijo, em Salvador. Dona Mirtes era uma sergipana, que ao lado de dona Lila, de Itabaiana, que tinha outra pensão, recebiam os estudantes sergipanos de menor poder aquisitivo.

Everton entrou na Faculdade de Medicina da Bahia em 1948 e concluiu o curso em dezembro de 1954, numa turma recheada de sergipanos. Fez toda a formação médica dirigida para a obstetrícia, pensando em ser parteiro. Perto de se formar, recebeu a visita do Dr. Carlos Firpo, diretor do Hospital Santa Izabel em Aracaju, que levou uma proposta ao jovem estudante. Precisamos de você em Aracaju, mas como Anestesiologista. Everton pensou, e resolveu passar mais um tempo na Bahia depois de Formado, para receber um treinamento na nova especialidade. Destaca-se, que o Dr. Everton conheceu na Bahia a destemida enfermeira Railda Andrade de Oliveira (foto), com quem se casou em 07 de novembro de 1957 (estão completando 60 anos de casados).


Em Aracaju, o Dr. Everton foi trabalhar como anestesista no Hospital Santa Izabel; plantonista no SAMDU, uma urgência da Previdência Social; plantonista no Pronto Socorro Municipal, que funcionava nos fundos da antiga sede da Prefeitura, no Parque Olímpio Campos; e tinha o seu consultório particular no Edifício Maiara. Uma vida modesta, voltada para a medicina, no tempo em que a base do trabalho médico era a filantropia. Everton nunca foi de muita conversa, um homem simples, que gostava mesmo era de jogar buraco com os amigos, e das pescarias nos finais de semana. O Dr. Everton e a enfermeira Railda, educaram seis filhos: a enfermeira e advogada Acácia, Ulisses, Clara, Paulo, Beto e Fábio; e possuem nove netos e três bisnetos, chamando atenção para a neta Luise, que decidiu seguir a profissão do avô e é anestesista na Bahia. Na entrevista com o Dr. Everton de Oliveira, constatei a tranquilidade de quem tem a certeza que cumpriu a sua missão na vida salvando vidas com decência e dignidade. 
Antonio Samarone.