sexta-feira, 13 de abril de 2018

O SUS AGONIZA


O SUS agoniza.
Não sei porque circula como novidade nas redes sociais, que estão querendo acabar com SUS. Isso vem de longe, acelerado nesse governo. A medicina comercial não se conforma na existência de serviços gratuitos de saúde, e alguns de boa qualidade. A ambição pelos lucros não tem limites. O capital financeiro, que comanda os planos de saúde, quer transformar o SUS em Mais Médicos, ou seja, num serviço primário para as populações na linha da miséria. Transformar a assistência as enfermidades em parte da assistência social aos mais pobres. Nessa visão neoliberal, cabe ao estado apenas assumir o papel da antiga filantropia, um retorno as misericórdias.
Os grupos liberais no Congresso, tendo a frente a bancada BBB, acusam o SUS de ser uma política “comunista cristã”. A Constituição determina que a saúde seja “um direito de todos e um dever do estado”, nada mais comunista; e o modelo assistencial do SUS aponta para uma atenção integral e equânime, nada mais cristão. Do ponto de vista liberal, dos que são contra os direitos sociais, é natural que proponham a entrega da saúde ao mercado. Afinal, eles defendem o reino das mercadorias. Na prática, a União sufoca o SUS, reduzindo a sua participação no financiamento.
Para quem ainda não percebeu, vai sobrar para estados e municípios, que se defrontam com uma demanda de 80% da população, que não pode pagar aos planos de saúde. Entenderam a estupidez em se gastar recursos tão escassos no luxo do Taj Mahal? Resta-nos, aos que acreditam em “saúde como um direito”, organizarmos a resistência.
Antônio Samarone.