quarta-feira, 16 de agosto de 2017

MESTRES DA MEDICINA EM SERGIPE - Hélio Araújo


Dr. Hélio Araújo (73 anos) – O primeiro neurocirurgião de Sergipe. Natural de Riachão do Dantas, filho de seu Adel, de família de seleiros de Simão Dias, e de dona Helena. Nasceu em 24 de maio de 1944. Fez o primário na Escola Reunida Comendador Dantas e no Grupo Escolar Lourival Fontes. O ensino em Riachão estava restrito ao primário, os meninos pobres estavam condenados a parar por aí. A família começou a procurar uma saída, um tio arrumou uma bolsa de estudos e veio morar na casa de uma prima em Aracaju, com uma condição, se não estudasse voltava. Em 1957 iniciou o Ginásio no Colégio Jackson de Figueiredo (guardou o medo da professora Judite) e concluiu no Atheneu.

Hélio Araújo chegou no Atheneu em 1959 e saiu em 1963, numa fase de ebulição política. Participou do movimento estudantil, das passeatas, agitações, do CPC da UNE, envolveu-se e acreditou que poderia mudar o Brasil, como tantos da sua geração. Ao mesmo tempo, estudava e tirava boas notas. Tomou gosto pela leitura desde jovem. Nessa entrevista fez questão de nos mostrar a sua biblioteca que, pelos livros, revela a profundidade da sua cultura. O dr. Hélio cultiva a boa música, possui uma educação musical adquirida com a professora Cândida Ribeiro no Colégio Atheneu. Isso mesmo, ensinava-se “canto orfeônico”, uma ideia de Villa Lobos que foi implantada nas escolas públicas.

A decisão de ser médico foi tomada muito cedo. Em 1952, ocorreu um surto de febre tifoide em Riachão, com quatro membros de sua família afetados, à beira da morte. A família recorreu ao dr. Bernardino Mittidiere. Mesmo com recursos escassos, o cloranfenicol ainda não tinha chegado a Sergipe, o dr. Mittidiere com a sua experiencia clínica, dedicação, postura humana, conseguiu livrar da morte quem já estava com o pé na cova. O exemplo do dr. Bernardino tocou Hélio Araújo que decidiu que seria médico, com apenas oito anos.

Hélio Araújo entrou na faculdade de medicina de Sergipe em 02 de março de 1964, no dia 31 já estava nas ruas na ilusão de que os estudantes poderiam conter o golpe. Em 1966 entrou na Ação Popular (AP), uma organização de esquerda organizada pelos militantes da Juventude Universitária Católica (JUC). Hélio foi o quarto presidente do Centro Acadêmico Augusto Leite. Durante a formação médica acompanhou inicialmente o dr. Oswaldo Leite, em seu ambulatório de oncologia. Depois seguiu os drs. Francisco Bragança e Fernando Felizola, numa formação cirúrgica de qualidade. Após um estágio realizado em Recife, decidiu que seria neurocirurgião. Como estudante assistiu e filmou a última cirurgia do dr. Augusto Leite, uma histerectomia. Contudo, esse filme que documentou a despedida do maior nome da medicina em Sergipe no século XX encontra-se desaparecido.

A formatura de Hélio Araújo estava marcada para 18/12/1969, entretanto, devido a morte do Presidente Costa e Silva, foi transferida para 28 de dezembro. Hélio ficou com medo de não se formar, pois durante o curso, a ditadura determinou a expulsão de alguns alunos considerados subversivos da Universidade, e do curso de medicina estavam na lista Ilma Fontes, Janete Figueiredo, Marinice Martins e Hélio Araújo; a expulsão não ocorreu devido à resistência decidida do Reitor João Cardoso do Nascimento Junior. A formatura foi um atropelo, pois no dia 02 de janeiro ele deveria apresentar-se no Hospital dos Servidores do Rio de Janeiro para iniciar a residência médica em neurocirurgia. Retornou à Sergipe em 1972, e procurou montar um serviço no Hospital São José, não obtendo sucesso. Terminou montando o primeiro serviço de neurocirurgia de Sergipe no velho Hospital de Cirurgia.


Em 1973, foi aprovado no concurso para professor da Faculdade de Medicina mas teve a sua nomeação protelada pelas forças do SNI dentro da UFS, tomando posse somente em 1974. Teve uma participação ativa como professor, ocupando vários cargos na gestão da faculdade, sempre como posições firmes, e aberto ao diálogo com os estudantes. Hélio Araújo foi uma referência para o movimento estudantil de medicina da UFS. Em 1977, Hélio Araújo foi aprovado no concurso para médico do INAMPS.  Em 1974, casou-se com a médica e também professora de medicina dra. Izabel Maynart, tendo três filhos, Alcides, biólogo, Aída, dentista, e Arthur, neurocirurgião; e uma neta, Rafaela.

ANTONIO SAMARONE.